euro0114032020

Morosidade dos pagamentos ameaça vida das empresas

O impacto negativo da morosidade na conta de resultados afecta 77% das empresas portuguesas, enquanto 31% sofrem incumprimentos significativos e 10% afirma correr o risco de fechar devido ao impacto dos incumprimentos. Este é o retrato da morosidade dado pelo Estudo da Gestão de Risco de Crédito em Portugal, realizado pela Crédito y Caución, Iberinform e Gestifatura e no qual participaram os gestores de mais de 300 empresas de todas as dimensões e sectores.

A falta de controlo sobre a morosidade empresarial é um risco para a actividade das empresas. O incumprimento dos pagamentos acordados gera importantes tensões de liquidez numa situação como a actual e é especialmente desestabilizadora das operações das empresas de menor dimensão. Se se chega ao não pagamento de uma venda a crédito comercial, a perda equivale aos custos de produção do produto. O impacto de um não pagamento comercial acentua-se quando menor for a margem de lucro, pois multiplica o número de vendas com clientes solventes necessárias para compensar a perda. Se uma empresa com uma margem comercial de 10% sofre um incumprimento de 10.000 euros, deverá gerar um novo negócio de 100.000 euros para compensar o impacto dos 9.000 em custos de produção.

De acordo com o Estudo de Gestão de Risco de Crédito em Portugal, 57% das empresas portuguesas enfrenta um aumento dos seus custos financeiros e 34% vê travada a sua expansão comercial. Além disso, 32% vê-se obrigada a limitar os seus novos investimentos e 26% vê reduzido o seu rendimento.