A comunicação social continua a atravessar uma crise sem fim à vista. O que vai tendo fim é a vida de alguns jornais, revistas e estações de rádio locais.

Segundo o Correio da Manhã, a 31 de Dezembro de 2017 estavam registados na Entidade Reguladora para a Comunicação Social 2.451 órgãos de comunicação social, menos 66 do que no último dia de 2016, quando foi contabilizado um total de 2.517 meios.

A perda fez-se sentir, sobretudo, do lado das publicações periódicas, onde se integram jornais e revistas, das mais diversas periodicidades. Foram registados menos 62 órgãos de comunicação social deste tipo. Esta área de negócio continua a representar o grosso dos registos que dão entrada no regulador dos media. Também as empresas jornalísticas enfrentaram um novo revés, com a perda de 31 meios. Já os operadores de radiodifusão, proprietários de rádios, são agora menos quatro.

Pelo contrário, num mercado que aposta cada vez mais no digital, assistiu-se a um incremento nos registos de serviços de programas distribuídos exclusivamente pela internet, com o registo de mais 29, e dos operadores televisivos, com o registo de dois no ano passado.